sábado, 3 de agosto de 2013

Despedida



Há muito tenho me permitido partir e voltar, partir e voltar. Minhas andanças me fazem escalar montanhas, atravessar pontes por debaixo de nascentes e poentes que alumiam meu horizonte. Eu nasci na terra vermelha, no estado de Goiás, nos dias frágeis do Fevereiro, às margens do Rio Paranaíba, na calmaria venosa de Itumbiara. Ainda haverá pontes para que eu atravesse; voos e escalas para que eu transponha, amores e amigos para que eu verseje. Dores e alegrias para que eu viva.

“Filho de sol poente
Quando teima em passear
desce de sal nos olhos doente da falta que sente do mar
Vim só dar despedida.”

Despedida [Marcelo Camelo]

Nenhum comentário: