sábado, 21 de março de 2009

DEDICO...

Aos andróides negruscos,
vadios pelas ruas
mendigos e cadáveres não identificados
sonhos herdados
e contradições

Aos obesos
e às fétidas criancinhas pobres
feios e torpes senhores pagãos
corações solitários sofrendo insônia

e à dona Francisca,
por toda descrença
e desgosto

Às Marias, Terezas, Josés e Eurípes...
todos que desconheço...
submersos no limbo
frívolo do sorgo

Às feias,
magérrimas,
corcundas
aos
caquéticos
insolúveis
e feios

garotos e garotas
de programa
da TV
e do corpo

analfabetos,
belos

índios, japoneses, negros e louros
cancerosos, diabéticos, aidéticos...
condenados e loucos, gays e sádicos

À dor e ao sexo,
milagre e tédio
dos vivos e mortos

À toda escória sempre lembrada
aos potentados e seus ministérios
à toda razão...
à Glória!

2 comentários:

Maria João disse...

Enterneceu-me o acolhedor lugar que todos têm neste teu belo poema...
Parabéns, Túlio.
Um abraço
Maria João Oliveira

A Gata por um Fio disse...

Que ótima abordagem...necessário mesmo uma análise mais aprofundada sobre estes tais contos de fadas recheados de caramelos e preconceitos...

beijao...

adorei que tenhas voltado a caneta para o blog, outra vez...A Gata também tem teixado a preguiça de lado e voltado, aos poucos, a postar...